Bolacha Brasilis

vinil_ntretrtr

Atenção amantes dos Lps! Temos uma ótima notícia para vocês!  O produtor e DJ Michel Nath resolveu resgatar a prensa da extinta gravadora Continental de um ferro velho e colocá-la de volta à ativa para marcar o início da segunda (e maior) fábrica de discos de vinil da América Latina, a Vinil Brasil.

Essa é uma notícia incrível para os amantes da boa música, que apreciam o som de corpo inteiro. E também para os artistas, que muitas vezes adorariam gravar seu álbum na versão old school, mas não o fazem pelo seu elevado custo de produção.

Nós amamos discos. Eles têm capas que são verdadeiras obras de arte. Encartes que muitas vezes nos transportam para outros lugares. Fora a experiência sensorial de passar os dedos por entre os discos, escolher um, acertar a agulha no ponto certo e ouvi-lo tocar na vitrola. Sua extinção e substituição por CDs, MP3 e variações, e agora pelo Spotify, tornou os discos de vinil itens cultuados nos últimos anos.

640x0-2033_f6d09603-c511-41ee-a0f0-c521e5cad9bbVinil

Mas não só de resgate a experiência sensorial vive um negócio. O mercado de discos de vinil cresceu 30% no mundo em 2015, de acordo com a consultoria Nielsen. No Brasil, o ritmo de crescimento seria parecido.

Com isso em mente,  a Vinil Brasil vai funcionar na Barra Funda, bairro da zona oeste de São Paulo, e terá capacidade para produzir 140 mil discos, entre LPs e compactos, por mês. Esse número significa quase quadruplicar a produção de discos no Brasil, que atualmente gira em torno de 40 mil bolachas por mês produzidos pela Polysom, única em operação nesse nicho, localizada no Rio.

Inovação apoiada em um produto essencialmente artesanal — e esse resgate é tendência. E você, conhece outros exemplos que misturam inovação e o feito à mão?

Disco_de_vinil_na_decoração-2

Anúncios

Willian Martini Racing Party #HOJEEUCELEBRO

TWdSguP7

Muito conhecida no mercado brasileiro pelo vermute, a marca Martini, do portfolio da Bacardi, agora empenha esforços em conquistar o consumidor local com um prosecco e um espumante rosé.

A iniciativa tem merecido ações de marketing especialmente criadas para o mercado brasileiro. Em uma delas, a marca irá monitorar o Twitter para identificar usuários na capital paulista que tenham postado ocasiões de celebração. Valendo de uma promoção no trabalho, encontro com amigos ou simplesmente um dia de folga.

Os eleitos serão surpreendidos com uma entrega especial dos espumantes em scooters “para celebrar all’italiana”. Estão planejadas 40 entregas neste fim de semana, que antecede o GP Brasil de Fórmula-1. Para incentivar as pessoas nas redes sociais, a marca conta com a participação de quatro influenciadores: a chef Paola Carosella; Bruno van Enck, da Barbearia Corleone; o músico e jornalista Lucio Ribeiro; e a YouTuber Dani Noce. A ideia da campanha #martinidelivery veio da BBDO de Londres e é inédita no mundo (os filmes, no entanto, são produção da Paranoid).

Dia 11 de novembro também ocorrerá uma festa com a presença de toda a equipe da escuderia Williams Martini Racing, de Felipe Massa. O evento acontece na Casa Fares, em São Paulo.

“A América Latina impulsiona o consumo de espumantes no mundo e esta forte expansão é representada por um crescimento dez vezes superior à Europa. A oportunidade é enorme, principalmente no Brasil”, afirmou a diretora de marketing da Bacardi, Marcela Rezende, em comunicado. Segundo a executiva, as ações são apenas o começo de um momento novo e importante da marca no País.

Os espumantes Martini estão sendo comercializados nas lojas do Pão de Açúcar e no Pão de Açúcar Delivery, na delicatessem Casa Lisboa, em eventos pela distribuidora King e em estabelecimentos como Alucci Alucci, Alto da Harmonia Bar, Brasserie Des Arts, Zenna Café, Noh Bar, Barê Bar, The View Bar, PJ Clarke’s, Tatini e She Rocks.

Enquanto o vermute Martini é produzido no Brasil há mais de 60 anos os espumantes chegaram ao país somente no fim de 2014, mas dois números animam a Bacardi quanto ao seu potencial: a empresa afirma que Martini é a segunda maior marca da categoria no mundo e o Brasil está entre os dez maiores mercados de espumantes, com consumo ainda crescente dos produtos.

Sangue Latino

Programa Sangue Latino, do Canal Brasil, gravado em 2009, com o grande jornalista e escritor uruguaio, Eduardo Galeano. Neste programa,  ele fala sobre América Latina a a humanidade nos dias de hoje. 24 minutos que passam rápido diante de tanta sabedoria e clareza diante da vida.