Calendário Splah 2014 – Tejal Patni

1003565_598294426891737_253194790_n

A marca Splash, com 200 lojas no oriente médio e uma das maiores varejistas da região, convidou o fotógrafo árabe Tejal Patni para clicar seu calendário 2014 e assim comemorar de 20 anos da marca na industria da moda. Brincando de caleidoscópio, Tejal conseguiu criar um mundo de fantasia, onde os principais personagens são as cores, estampas e texturas.

Anúncios

Evoke e Update or Die apresentam o “House Of Jam”

safe_image

“I dont know but… I heard people say that what we do is rare…”

“House Of Jam” é o novo projeto musical da Evoke e do Update or Die.

Serão veiculados e produzidos programas apresentando bandas novas (e consagradas) dentro da Casa Evoke – um espaço experimental de marca que reúne diferentes contextos que orbitam o estilo de vida Evoke, e do UoD, com jam sessions, exposições de arte e eventos multi-culturais que promovem encontros inusitados.

Por lá, já passaram músicos e bandas como:

• Suicidal Tendencies
• Ben Harper
• Black Alien
• Comodoro
• Lucio Maia
• Mombojó
• Michael Gravis
• Sepultura
• Maximum Hedrum
• Agent Orange
• Marky Ramone
• Marina de la Riva
entre muitos outros…

Ou seja: os encontros que já acontecem naturalmente e com muito prazer, mas de maneira super restrita, agora serão compartilhados. O papel do UoD é fazer a interface com os músicos e nossos leitores, servindo como inspiração e curadoria através da geração de conteúdo. Há tempos existe a oportunidade de colocar em pé este projeto e, agora, chegou hora de reunir essa turma.

Mensalmente, será publicado um programa apresentando a banda convidada, que fará um pocket show, com duas ou três músicas, que serão gravadas em um pequeno evento exclusivo para poucos convidados. Serão 12 bandas/programas durante o ano, a última banda será escolhida através de um concurso e todas farão parte da primeira coletânea digital lançada pelo “House Of Jam”.

O primeiro “H.O.J.” é com os noruegueses do BIG BANG, trio que faz um rock n roll muito bem feito, misturando o som cru e direto com uma pegada clássica. A banda, que não é nova (lança discos desde 1995), é sempre apontada como a melhor da Noruega em cima dos palcos. O “Radio Radio TV Sleep” é o álbum ao vivo mais vendido de todos os tempos no país. Seu líder, Øystein Greni, é um ex-campeão de skate que se machucou fazendo manobras, teve a carreira comprometida e passou a dedicar-se a guitarra. Junto com Olaf Olsen (bateria) e Nikolai Eilertsen (baixo) formam um daqueles power trios que só dá para tentar entender quando você está em um show. Jack White, Billy Gibbons e Scott Weilland já disseram para ficarmos de ouvidos atentos. E, eles têm razão.

Nos próximos meses muitas bandas farão parte do projeto, e acontecerão mais eventos exclusivos,com mais novidades e muito mais conteúdo.

Tem alguma sugestão? Banda para apresentar? Envie para: guga@updateordie.com

Eles estão buscando marcas apoiadoras para amplificar e acrescentar ainda mais a este projeto, transformando-o em algo bem maior (como merece). O projeto tem potencial para em pouco tempo ter mais novidades e mais gente envolvida.

 

33 momentos que definem como será o próximo SPFW

E como quem não quer nada, lá vem chegando o SPFW de novo.

Hora de polir os óculos escuros.

E respirar fundo.

Olhar o line-up e confirmar: não tem mesmo desfile da Neon

Mas Reinaldo Lourenço e Gloria Coelho estão de volta!

Alguns desfiles incríveis…

… outros nem tanto.

E outros com um casting… interessante.

No fim de semana anterior, a missão é checar o guarda-roupa.

E…

Sempre cogitamos um look bafo.

Mas estamos trabalhando, né? Melhor usar algo mais prático.

Aí a gente chega no Parque Villa Lobos e não tem UMA sombra.

E ainda esquecemos de fazer o credenciamento.

Tudo bem, todo mundo bem-humorado para a Animale, que abre os trabalhos.

E mais bom humor, afinal são VINTE E CINCO desfiles em cinco dias.

Aí, logo depois do primeiro desfile, alguém pergunta: quais as TENDÊNCIAS da estação?

Sério, quem é que ainda liga para TENDÊNCIA?

E a gente ainda tenta comer uma coisinha e… o restaurante é o Figueira Rubayat!!!

A terça-feira é longa e começa cedo, com Alexandre Herchcovitch no Teatro Municipal.
Hora de disfarçar a cara de sono.

De tarde, além dos desfiles, a modelo Michelli Provensi lança seu livro. ❤

Já na terça de noite, hora de escolher:
Ficar para ver o desfile de Juliana Jabour OU partir para a festa da Chanel na Oca?

Ou os dois!

Mas sem ressaca no dia seguinte.

Quarta tem desfile-show-performance-apresentação do Fause Haten.
E ele só vai divulgar o lugar na hora.

Quinta-feira, 10h30: Pedro Lourenço faz desfile na FAAP.
Tomara que não chova, né? Porque aquelas escadas…

Em algum momento VAI chover – e vamos todos ficar ilhados depois do último desfile.

Aí, também na quinta, tem o retorno de Gisele Bündchen. Na Colcci. DE NOVO.

Mas depois do desfile, todo mundo sai meio assim.

No fim da sexta-feira, bate aquele cansaço.

Mas aí você lembra que na outra semana tem… Fashion Rio!

E ainda tem que fazer lista de tendências, porque as pessoas não param de pedir!

No meio disso tudo, Gloria Kalil está na Turquia… Volta, Gloria!

COCA-COLA MUSIC CONNECTION

A partir do dia 18/10, jovens de 12 a 25 anos de idade, com bandas de todos os estilos musicais, terão a oportunidade de se apresentar publicamente e concorrer a prêmios.

Depois de passar por Brasília (DF) e Goiânia (GO), o Coca-Cola Music Connection, ou simplesmente CMC, acontecerá em Uberlândia (MG) e Belém (PA) simultaneamente, com o objetivo de promover bandas não profissionais, dando espaço para que compartilhem momentos únicos por meio da música.

O projeto é gratuito e une interatividade, dinamismo e tecnologia e traz cinco diferentes estações: o estúdio de Todo Mundo, Coca-Cola Band Machine, o Coca-Cola Dance Machine, o Coca-Cola Play e um estúdio de rádio. A ideia é unir as paixões dos jovens: música, compartilhamento, amigos e diversão.

Para participar do concurso, basta ter uma banda musical, não profissional, composta por no mínimo duas pessoas e no máximo sete. O projeto acontece em quatro fases. Na primeira, a banda faz a inscrição no site de 18/10 a 29/10 ou no próprio local.

Após inscritos, os grupos participarão da segunda fase, que inclui audições e gravações realizadas no estúdio montado no Shopping Pátio Belém e no Center Shopping de Uberlândia.

No local, o grupo vai gravar um clipe, enquanto a plateia acompanha e torce pelas bandas. Ao final das audições, os vídeos gravados ficarão disponíveis no site do Coca-Cola Music Connection para votação.

A melhor banda de cada cidade vai ganhar um prêmio de estrela: a oportunidade de gravar um CD em estúdio profissional, fazer uma sessão fotográfica, e sessão fotográfica e a identidade visual da banda, além de participar da final nacional com as quatro finalistas. A banda vencedora do concurso nacional também leva pra casa instrumentos e equipamentos, e a sua música tocará durante um mês na rádio web Coca-Cola FM.

Entre as atrações do evento, a Coca-Cola BandMachine é uma plataforma com games que simulam instrumentos musicais. A Coca-Cola Dance Machine é um jogo ativado com os movimentos do corpo, sendo possível seguir os passos da tela.

Coca-Cola Play é um estúdio, que permite participar de um vídeo da música “Todo Mundo”, criada em homenagem à Copa do Mundo de 14 e gravada por Gaby Amarantos e Monobloco.

Pesquisa revela quais marcas foram mais lembradas por proporcionar bons momentos ao público no Rock in Rio

Qual marca chamou mais atenção dos que estiveram no Rock in Rio? E daqueles que acompanharam via TV ouweb?

Um estudo da Ilumeo com mais de 1.200 pessoas levantou estes e outros dados relativos ao evento que encerrou no dia 22/09, na Cidade do Rock, no Rio de Janeiro. De acordo com as informações levantadas, considerando-se o público que estava no local e o que acompanhou a distância, a Coca-Cola foi a marca com a melhor lembrança, com 58%, seguida por Itaú  (53%) e Heineken (52%).

A Coca-Cola ficou na lembrança do público do Rock in Rio 2013 (Foto: Mateus Arisa/Promoview).

O curioso é que, ao fragmentar estes dados,  o resultado muda um pouco. Quando se leva em conta quem foi ao evento, o Itaú tem 74%, seguido pela Coca-Cola (67%), Heineken(66%) e Club Social, que aparece com 57% contra apenas 36% obtidos quando o critério foi o público geral.

Astro do Rock foi a ação de marketing promocional que o Itaú levou à Cidade do Rock.

“Na métrica de lembrança de patrocínio dentre das pessoas que foram ao Rock in Rio, as marcas que mais têm seus índices elevados, em relação ao público em geral, são Itaú e Club Social. Provavelmente, estas marcas tiveram atuação marcante no evento”, observaDiego Senise, diretor da Ilumeo.

Balanço do evento

A organização do Rock in Rio divulgou no dia 27/09, o balanço final do festival. No total, foram 90 horas de música ao longo de sete dias e um público de 595 mil pessoas presentes na Cidade do Rock para acompanhar mais de 160 atrações.

Segundo estimativas da Secretaria de Turismo do Rio de Janeiro (Riotur), o Rock in Rio gerou um impacto na economia do Rio de Janeiro de mais de R$ 1 bilhão, atingindo uma média de 90% de ocupação dos quartos da rede hoteleira carioca.

Os resultados na web merecem destaque. O Rock in Rio alcançou a marca de mais de 10,256 milhões de seguidores nas redes sociais, sendo que registrou um crescimento de 704 mil fãs só durante o festival.

O site oficial do evento obteve cerca de 4,5 milhões de visitas e aproximadamente 9,2 milhões de page views. Os principais países que acessaram, além do Brasil, foram Estados Unidos, Portugal, México e Chile, nesta ordem.

O sucesso dos brinquedos instalados na Cidade do Rock, que levavam o nome de patrocinadores e contaram com filas gigantes durante todos os dias, também pode ser expressado em números.

A Heineken está entre as mais lembradas do evento de rock (Foto: Mateus Arisa/Promoview).

Um total de 95.741 pessoas passaram pela roda-gigante, tirolesa, turbo drop, montanha russa e parede de escalada ao longo do festival. Na alimentação os dados também são grandiosos: foram consumidos 530 mil litros de cerveja, 420 mil garrafas de água, 210 mil copos de refrigerante, 9,7 toneladas de copos de refrigerantea, 130 mil pães de queijo, 48 mil pizzas, 29 mil cachorros quentes e 280 mil hambúrgueres.

Por trás das máscaras: as fotografias de Phyllis Galembo

Desde meados dos anos 80, Phyllis Galembo tem produzido um impressionante trabalho fotográfico que documenta o caráter físico, costumes e rituais das práticas religiosas e populares africanas e suas manifestações no Caribe e na América do Sul.

Depois de estudar fotografia e gravura na Universidade de Wisconsin, em 1970 ela começou a fotografar pessoas vestindo trajes festivos. Então, em 1985, ela viajou para a Nigéria com o propósito de fotografar sacerdotes e sacerdotisas com seus trajes tradicionais e objetos cerimoniais. “Fiquei fascinada com a ideia de roupas rituais terem um poder espiritual,  transformador. Eu segui a história para o Haiti, onde acredita-se que os sacerdotes e sacerdotisas de vodu transformam-se através de suas roupas em seres mágicos.

Por mais estranha que suas imagens parecem, Galembo – que descreve o seu interesse como “artístico e antropológico ‘- diz que eles são apenas uma variante mais estridente de rituais existentes no Ocidente.

A peculiaridade e a variedade de texturas, formas e estampas impressiona de um lugar para o outro, revelando universos possíveis de inspirações, de cores e de outros de pontos de vista. Criando estéticas completamente antagônicas às vigentes na atualidade, mas não por isso menos interessantes e belas.

Flash Mob Smirnoff – Green Apple sinal verde para balada

s1

Todo mundo tem algum amigo que sempre fica com preguiça e raramente se anima pra ir pra balada. Nesses casos, costuma ser mais eficiente pegá-lo de surpresa, assim, no meio da diversão, fica difícil recusar. Foi pensando nisso que a Smirnoff ICE montou uma brincadeira para incentivar amigos a curtirem mais baladas juntos.

s2

A marca combinou com algumas pessoas de levar um amigo para uma loja de conveniência em Porto Alegre. Lá, eles pegavam algumas garrafas do novo sabor Green Apple, e quando passavam no caixa, a loja se transformava numa balada, com direito a disco ball, DJ, música alta e várias pessoas dançando.

Com um “empurrãozinho” desses, não tem quem resistiria à balada né?