O Retorno de Saturno

Lia e Samuel Rosa Estúdio

Algumas pessoas tem uma energia tão forte, um desejo tão intenso que por isso atraem e realizam coisas incríveis para si e para o mundo. Esse é o caso de Lia Paris. Simplesmente autentica, por onde passa essa mulher furacão meche todas as coisas de lugar e  enche tudo com a sua luz ao ponto de ficar entediante quando se vai.

Depois de abalar em sua turnê pela Europa e NY onde gravou o Clip de Wild Boy,  música que compôs com Marcelo Jeneci,  preparava-se para a estréia de sua coleção de Beachwear para o Café de la Musique  e sua temporada de shows no Réveillon de Trancoso. Foi quando uma coisa incrível aconteceu…

Samuel Rosa ouviu o som de Lia Paris e adorou. E foi assim que ela recebeu o convite para compor duas músicas para o novo álbum do Skank.

 Sentindo-se abençoada sob o céu da Bahia, depois de cantar com Elba Ramalho, Tonny Garrido, fazer um Live com o Bushwacka e chamar a atenção de Sonia Racy e virar página de jornal, Lia escreveu uma música inspirada no turbilhão de sentimentos provocados pelo Retorno de Saturno.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na última terça-feira Lia embarcou rumo á Belo Horizonte para gravar sua participação especial no novo Cd do Skank. Ela conta que cantar com Samuel foi uma experiência mágica da qual jamais esquecerá.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma estrela é assim. De seu coração nascem as coisas que iluminam o mundo e mesmo de muito longe sente-se  seu brilho e seu magnetismo. Compondo e cantando sobre experiências reais, Lia Paris está trabalhando em seu primeiro disco autoral e por conta de seu carisma, grandes nomes da música realizam participações especiais.

Seu EP com três músicas, foi produzido por Dudu Aram e Antônio Pinto, será lançado em breve com as faixas Azul e Flores, Wild Boy escrita por ela em parceria com Marcelo Jeneci e Sua Constelação que conta mais uma vez com a participação de Marcelo e Zélia Duncan, a bateria hipnótica de Fredo Ortiz dos Beastie Boys e guitarra marcante do músico Edgard Scandurra.

Se você ainda não ouviu falar de Lia Paris, isso é por pouco tempo, o talento dela promete estourar nas paradas de sucesso. Ouça porque no SoundCloud da cantora.

1497593_10201215753491485_12661197_n

Anúncios

Sites americanos fazem apagão hoje em protesto ao PIPA e ao SOPA

Quarta-feira, 18 de janeiro de 2012, diversos sites americanos se unem para protestar contra dois projetos de lei: o PIPA (Protect IP Act – em tradução livre, lei de Proteção à Propriedade Intelectual) e SOPA (Stop Online Piracy Act – em tradução livre, Lei Contra a Pirataria Online).

O congresso visa com os projetos permitir que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos investigue e desconecte qualquer empresa ou pessoa física que publique materiais com direitos de propriedade intelectual dentro e fora do país, evitando assim que publicações de outras pessoas sejam replicadas e ou copiadas por terceiros sem os devidos créditos e consentimento do autor da obra.

Os projetos dividiram opiniões nos Estados Unidos. De um lado, a indústria cinematográfica (Hollywood) e a indústria musical aprovam as ideias. Já que perdem anualmente perdem bilhões de dólares de seus conteúdos que são veiculados livremente na web. Do outro, gigantes da Internet como o Wikipedia, Google, Facebook, Twitter, Yahoo, Ebay…

Algumas dessas páginas, como o Wikipedia, irão ficar fora do ar hoje por 24h, em sinal de protesto.

Print Screen da Wikipedia (EUA)

Já o gigante das buscas, Google, colocou uma tarja preta em seu doodle de hoje.

A Mozilla colocou em seu navegador uma página inicial preta e um aviso de greve, com o logo do browser cortado por uma faixa que diz “abaixo a censura” . O Twitpic fez o mesmo.


O WordPress, importante serviço de blogs, também aderiu ao blackout nos Estados Unidos e divulgou um vídeo para contar como os projetos tendem a mudar a internet.

 

Essas empresas defendem que o projeto vai contra a livre expressão e argumentam que a lei permitirá ao governo americano fechar sites, dentro e fora do país, sem necessidade de levar a questão à Justiça.

O projeto, se aprovado, “prejudicaria a internet livre e aberta e proporcionaria novas ferramentas para a censura de sites internacionais dentro dos EUA”, diz a Wikimedia Foundation (responsável pela comunicação do Wikipedia)

Outra atitude tomada por essas empresas foi a assinatura de uma carta aberta expressando sua preocupação com o projeto.

Carta Aberta

A Wikipedia é uma das empresas que mais seria afetada pela lei, tal como ela está hoje, pois é um site colaborativo e a empresa teria que se responsabilizar pelo conteúdo publicado por seus milhares de usuários colaboradores. Se algum deles copiasse o conteúdo de alguém ou postasse algo ofensivo, o site poderá ser responsabilizado.

“No mínimo, caso a lei seja aprovada, qualquer serviço que hospede conteúdo gerado por usuário estará sobre enorme pressão para monitorar e filtrar todo conteúdo postado”, argumentou um ativista da Fundação Fronteira Eletrônica, instituição americana cujo objetivo é proteger os direitos de liberdade de expressão, segundo o UOL.

O blog da Casa Branca disse que não poderia apoiar “um projeto de lei que reduz a liberdade de expressão, amplia os riscos de segurança na computação ou solapa o dinamismo e inovação da internet global”. Esse comentário aliado às críticas das empresas e da população, fez com os assessores do Congresso começassem a pensar em reformulações para o projeto.

Mas, afinal, o que é SOPA ?

Se você ainda se sente um pouco perdido em relação ao que é o projeto de lei SOPA e o que isso implica para o Brasil, veja essa imagem explicativa feita pela página do evento #SOPA Blackout Brasil, no Facebook.

Afinal, o que é SOPA?Afinal, o que é SOPA?