33 momentos que definem como será o próximo SPFW

E como quem não quer nada, lá vem chegando o SPFW de novo.

Hora de polir os óculos escuros.

E respirar fundo.

Olhar o line-up e confirmar: não tem mesmo desfile da Neon

Mas Reinaldo Lourenço e Gloria Coelho estão de volta!

Alguns desfiles incríveis…

… outros nem tanto.

E outros com um casting… interessante.

No fim de semana anterior, a missão é checar o guarda-roupa.

E…

Sempre cogitamos um look bafo.

Mas estamos trabalhando, né? Melhor usar algo mais prático.

Aí a gente chega no Parque Villa Lobos e não tem UMA sombra.

E ainda esquecemos de fazer o credenciamento.

Tudo bem, todo mundo bem-humorado para a Animale, que abre os trabalhos.

E mais bom humor, afinal são VINTE E CINCO desfiles em cinco dias.

Aí, logo depois do primeiro desfile, alguém pergunta: quais as TENDÊNCIAS da estação?

Sério, quem é que ainda liga para TENDÊNCIA?

E a gente ainda tenta comer uma coisinha e… o restaurante é o Figueira Rubayat!!!

A terça-feira é longa e começa cedo, com Alexandre Herchcovitch no Teatro Municipal.
Hora de disfarçar a cara de sono.

De tarde, além dos desfiles, a modelo Michelli Provensi lança seu livro. ❤

Já na terça de noite, hora de escolher:
Ficar para ver o desfile de Juliana Jabour OU partir para a festa da Chanel na Oca?

Ou os dois!

Mas sem ressaca no dia seguinte.

Quarta tem desfile-show-performance-apresentação do Fause Haten.
E ele só vai divulgar o lugar na hora.

Quinta-feira, 10h30: Pedro Lourenço faz desfile na FAAP.
Tomara que não chova, né? Porque aquelas escadas…

Em algum momento VAI chover – e vamos todos ficar ilhados depois do último desfile.

Aí, também na quinta, tem o retorno de Gisele Bündchen. Na Colcci. DE NOVO.

Mas depois do desfile, todo mundo sai meio assim.

No fim da sexta-feira, bate aquele cansaço.

Mas aí você lembra que na outra semana tem… Fashion Rio!

E ainda tem que fazer lista de tendências, porque as pessoas não param de pedir!

No meio disso tudo, Gloria Kalil está na Turquia… Volta, Gloria!

Anúncios

FILE 2013

file-fiesp-predio

Em cartaz no Centro Cultural Fiesp, o FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica apresenta 23 obras de arte digital com entrada gratuita até 1º de setembro. Famoso por suas longas filas nos fins de semana, o evento tem um público cativo que o procura principalmente pela possibilidade de interagir de diversas maneiras com instalações, animações, aplicativos para tablet e games, entre outros trabalhos. Em sua 14ª edição, em 2012, o festival recebeu 50 mil pessoas. Para evitar o tumulto, a dica é fazer a visitar durante a semana ou aos sábados e domingos, pela manhã.

É importante reservar de 2 a 3 horas para conhecer todos os trabalhos em exibição neste ano. Não há um roteiro a seguir. No salão, vale ficar livre e experimentar as mais diferentes sensações que as peças podem despertar, sem pressa. O estudante de moda Wladimir Rocha, que estava na abertura, no último dia 22, levou a sério essa proposta. “É bacana usar a tecnologia a favor da arte de uma forma interativa”, disse.

The Sugar Lab: levando a confeitaria a um outro nível

3D_printed_sugar_lab_diamonds_gallery

Quem não ama bolos decorados? A cada dia que passa, novas técnicas e invenções são criadas para aprimorar a prática, que é pura arte. Um outro nível de “novidade” foi atingido pelo casal Kyle e Liz von Hasseln, que têm uma empresa chamada The Sugar Lab.

O trabalho do The Sugar Lab é, “basicamente” produzir esculturas de açúcar utilizando a técnica de impressão em 3D:  uma mistura de álcool e água é aplicada em camadas para molhar e depois endurecer o açúcar, que se transforma em geométricas e inacreditáveis estruturas.

O serviço é exclusivo e customizado. Não produz, com o perdão do trocadilho, em massa.  O processo de desenvolvemento começa num rascunho, quando o cliente compartilha sua ideia, tema, humor, e o casal trabalha para “traduzir” isso numa linguagem digital.

Uma ótima ideia para casamentos, aniversários ou, por que não, para decoração da casa?

Entre a Arte e o Galinheiro

bendettaubaldini6

A artista britânica  Benedetta Ubaldini se dedica a fazer esculturas com material inusitado: arame de galinheiro. O efeito dimensional é esculpido à mão, que cria uma leveza nos animais, tornando-os figuras fantasmagóricas, que parecem flutuar pelo ambiente. Apesar disso, os cenários tem um ar todo lúdico, que parecem ter migrado de um livro infantil.

E as nuvens, então? Encantadoras!