A beleza do caos organizado

Artística, inovadora e atenta, Ray Eames foi uma protetora e colecionadora de coisas que a inspiraram – e precisava dessas coisas para rodeá-la enquanto ela trabalhava, como evidenciado por sua mesa no Eames Office (acima, fotografada em 1976). Obtenha um vislumbre de vários espaços que exemplificam isto e veja os muitos itens que motivam seus ocupantes durante o dia de trabalho.

Cada centímetro da parede acima da mesa no home office da designer de interiores Laura Clayton Baker contém fotos, páginas de revistas, cartões postais e peças aleatórias de arte. (Foto: Laura Clayton Baker)

O espaço da ilustradora, professora e autora de livros Kate Bingaman-Burt, em Portland, nos Estados Unidos, exibe uma eclética mistura de desenhos, arte, cartazes, recortes de papel e plantas. (Foto: Kate Bingaman-Burt)

Arte, livros e pilhas organizadas de papéis compõem o home office, em Venice, na Califórnia, de Scott Flora e Jerinne Neils, co-fundadores da empresa  de gráficos de parede Blik. (Foto: Blik)

O espaço de trabalho ocupado por Brian Haines, Alejandra Abad, Natasha Maria Fernandez-Fountain e Bruno Torquato – também conhecido como estúdio de design e colaborativo One by Four – tem paredes e janelas cheias de criatividade e cor. (Foto: One by Four)

Materiais e ferramentas para design, arte e projetos de ilustração assumem as mesas de trabalho na Logical Art, um estúdio de design criativo em Londres fundado por Yoo-kyung Shin e Hanhsi Chen. (Foto: Logical Art)

Anúncios

The Creators Project

Neste final de semana nos dias 4 e 5 de agosto, acontecerá espaço de eventos Moinho o festival de arte The Creators Project que engloba arte e tecnologia com interatividade, shows, filmes e painéis de discussão.

O produtor californiano de hip hop AraabMUZIK e a dupla de música eletrônica do Brooklyn Tanlines são algumas das atrações confirmadas, assim como a rapper curitibana Karol ConKá e o DJ e produtor Leo Justi.

A instalação em larga escala movida a Kinect The Treachery of Sanctuary de Chris Milk fará sua estreia na América Latina, juntamente com a instalação Parede de Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti, além do game interativo OctoCloud do SuperUber, que também será apresentado no Brasil pela primeira vez.

O público ainda poderá interagir com a obra Meditation 1208~ do coreano Minha Yang, os pixels interativos Six-Forty by Four-Eighty de Zigelbaum + Coelho, a instalação de Instagram em tempo real #Creators Live de Doug Carmean e Social Print Studio, entre outras.

Serão exibidos filmes como o documentário sobre o LCD SOUNDSYSTEM SHUT UP AND PLAY THE HITS, inédito no Brasil, e realizaremos um painel sobre moda sustentável com Oskar Metsavaht, e sobre música DIY com Emicida e Daniel Ganjaman. A deliciosa gastronomia d’O Mercado trará suas charmosas barraquinhas comandadas por alguns dos melhores chefes de São Paulo ao longo do final de semana.

Projeto MIDAS

A exploração sinestésica de performance artística tradicional e arte digital, o projeto MIDAS é um espaço interativo, mapeado digitalmente criado para ampliar o leque de desempenho tradicional. Trabalhando em conjunto com o dançarino Tom O’Donnell , o projeto MIDAS primeiro é um espectáculo de dança improvisada em cinco movimentos, cada um representando um estágio da relação do homem em constante mudança com a tecnologia. Utilizando a mais recente em tecnologia de rastreamento, o projeto MIDAS desafia as suposições em desempenho e evolução do papel do intérprete na arte.

Este slideshow necessita de JavaScript.

fonte:  MIDASpaces

James Cameron: antes do Avatar…um garoto curioso


Com seus filmes de alto orçamento (e faturamento ainda maior) James Cameron cria mundos fictícios totalmente únicos. Nesta apresentação pessoal, Cameron nos revela sua fascinante infância – desde a leitura de ficção científica até a prática de mergulho profundo – e como essas experiências levaram ao grande sucesso de seus campeões de bilheteria “Aliens”, “Exterminador do Futuro”, “Titanic” e “Avatar”.

“Então, arquivei a idéia (Avatar), e fiz esse outro filme sobre um enorme navio que afunda. Fui ao estúdio e lancei essa idéia como ‘Romeu e Julieta’ em um navio – “Vai ser um romance épico, um filme ardente”. Secretamente, o que eu queria fazer era mergulhar no mundo real do “Titanic”. E foi por isso que eu fiz o filme.”