Especial Lollapalooza 2015 – FAR FROM ALASKA

ef6c0a5aea94f63472c477992882d010

Far From Alaska é uma baita banda de rock de Natal/RN, nascida no primeiro semestre de 2012 e formada por Emmily Barreto (vocal), Cris Botarelli (synth, lap steel e voz), Edu Filgueira (baixo), Rafael Brasil (guitarra) e Lauro Kirsch (bateria). O grupo conta com influências tão diversas quanto controversas, resultando em uma proposta bem interessante de um rock forte, com riffs poderosos, sintetizadores marcantes, um vocal único e letras em inglês muito bem elaboradas.

Ao longo de sua curta jornada, a banda coleciona fartos elogios da imprensa e até dos integrantes do conceituadíssimo Garbage. O quinteto assinou com a Deck e lançou seu primeiro CD, “modeHuman”, em Maio de 2014, com 15 faixas gravadas em novembro de 2013 no estúdio Tambor (Deck), no Rio de Janeiro. O registro foi mixado por Pedro Garcia (Planet Hemp) e masterizado por Chris Hanzsek, no Hanzsek Audio (Seattle/EUA).

Nome: Far From Alaska
País: Brasil
Ano de formação: 2012
Integrantes: Emmily Barreto(vocal), Cris Botarelli (sintetizadores), Lauro Kirsch (bateria), Rafael Brasil(guitarra) Eduardo Filgueira (baixo)
Sucessos: Dino vs Dino, Thievery, Deadmen

Fonte:http://www.lollapaloozabr.com/

Anúncios

1960 – O carnaval Carioca por Willy Rizzo

E6GDGmk - Imgur

Ele já foi fotojornalista de conflitos, fotógrafo de design, de moda, retratista e no meio disso tudo encontrou tempo para dar um pulinho no Rio de Janeiro e clicar imagens inesquecíveis do carnaval, em meados da década de 1960.

O fotógrafo italiano Willy Rizzo faleceu no ano passado, mas deixou um legado de registros e imagens, que inclui essas fotos nostálgicas do verde e amarelo desfilando pela Avenida Rio Branco.

Carnaval carioca: registro artsy

O Carnaval por outro ângulo, com pegada esperta e poética  que só o pessoal do I Hate Flash sabe fazer – e muito bem!  Ao lado da Redley, formaram uma ótima parceria: registrar blocos cariocas que estão rolando na cidade do Rio.

O Studio Lotus já tem algumas imagens para mostrar para vocês. As da nossa galeria, por exemplo, são do “Desce…Mas não Sobe”, que desfilou no Flamengo, Zona Sul do Rio, e também da Orquestra Voadora.

Por lá, a Redley armou ação especial com slackline – com o equilibrista  Bruno Migueis e o skatista  Léo Rodrigues.  As fotos mais legais vão virar estampas de t-shirts, que serão vendidas após o Carnaval nas lojas da marca.

O Studio Lotus adorou a ideia. Olha só…

Pesquisa revela quais marcas foram mais lembradas por proporcionar bons momentos ao público no Rock in Rio

Qual marca chamou mais atenção dos que estiveram no Rock in Rio? E daqueles que acompanharam via TV ouweb?

Um estudo da Ilumeo com mais de 1.200 pessoas levantou estes e outros dados relativos ao evento que encerrou no dia 22/09, na Cidade do Rock, no Rio de Janeiro. De acordo com as informações levantadas, considerando-se o público que estava no local e o que acompanhou a distância, a Coca-Cola foi a marca com a melhor lembrança, com 58%, seguida por Itaú  (53%) e Heineken (52%).

A Coca-Cola ficou na lembrança do público do Rock in Rio 2013 (Foto: Mateus Arisa/Promoview).

O curioso é que, ao fragmentar estes dados,  o resultado muda um pouco. Quando se leva em conta quem foi ao evento, o Itaú tem 74%, seguido pela Coca-Cola (67%), Heineken(66%) e Club Social, que aparece com 57% contra apenas 36% obtidos quando o critério foi o público geral.

Astro do Rock foi a ação de marketing promocional que o Itaú levou à Cidade do Rock.

“Na métrica de lembrança de patrocínio dentre das pessoas que foram ao Rock in Rio, as marcas que mais têm seus índices elevados, em relação ao público em geral, são Itaú e Club Social. Provavelmente, estas marcas tiveram atuação marcante no evento”, observaDiego Senise, diretor da Ilumeo.

Balanço do evento

A organização do Rock in Rio divulgou no dia 27/09, o balanço final do festival. No total, foram 90 horas de música ao longo de sete dias e um público de 595 mil pessoas presentes na Cidade do Rock para acompanhar mais de 160 atrações.

Segundo estimativas da Secretaria de Turismo do Rio de Janeiro (Riotur), o Rock in Rio gerou um impacto na economia do Rio de Janeiro de mais de R$ 1 bilhão, atingindo uma média de 90% de ocupação dos quartos da rede hoteleira carioca.

Os resultados na web merecem destaque. O Rock in Rio alcançou a marca de mais de 10,256 milhões de seguidores nas redes sociais, sendo que registrou um crescimento de 704 mil fãs só durante o festival.

O site oficial do evento obteve cerca de 4,5 milhões de visitas e aproximadamente 9,2 milhões de page views. Os principais países que acessaram, além do Brasil, foram Estados Unidos, Portugal, México e Chile, nesta ordem.

O sucesso dos brinquedos instalados na Cidade do Rock, que levavam o nome de patrocinadores e contaram com filas gigantes durante todos os dias, também pode ser expressado em números.

A Heineken está entre as mais lembradas do evento de rock (Foto: Mateus Arisa/Promoview).

Um total de 95.741 pessoas passaram pela roda-gigante, tirolesa, turbo drop, montanha russa e parede de escalada ao longo do festival. Na alimentação os dados também são grandiosos: foram consumidos 530 mil litros de cerveja, 420 mil garrafas de água, 210 mil copos de refrigerante, 9,7 toneladas de copos de refrigerantea, 130 mil pães de queijo, 48 mil pizzas, 29 mil cachorros quentes e 280 mil hambúrgueres.

I see people in the crowd

6-652x433

Guilherme Kramer é paulista e veio do mundo publicitário pra marcar o campo da ilustração, do street art e da pintura com o seu trabalho minucioso, detalhista, compulsivo e brilhante.

Conhecido pelos murais e peças em grandes formatos onde desenha milhares e milhares de pequenos rostos expressivos e detalhados, ele foi um dos vencedores do projeto Havaians + IdeaFixa, ilustrador do Estadão, já colaborou com marcas como a Reserva e mais recentemente com a Streettoo e oStree2lab, teve inúmeras exposições individuais pelo Brasil e pelo mundo, e agora está abrindo aexposição Humanhood em Hong Kong na galeria de arte Toof Contemporary, onde ele também realizou um live-painting desenhando os rostos dos visitantes da expo. Aproveitando a visita asiática, o artista também vai realizar um workshop de arte urbana esse sábado, 5 de Outubro.

Compartilhamos aqui as imagens do processo dessa obra recente incrível, Con la gente me gusta.

Campeonato Americano de Barba e Bigode

555067_715020638524302_2012588762_n-580x434

O Campeonato Americano de Barba e Bigode é um evento onde você poderá encontrar pessoas com um visual um pouco diferente do que esta acostumado no dia a dia. Enquanto a maioria dos homens opta por fazer a barba para um visual “limpo”, estes homens caminham no sentido contrário, eles cultivam seus emaranhados de pelos de uma forma quase artística. Trançando linhas e modelos diferentes para seus bigodes e barbas, com o objetivo de conseguirem ser bem qualificados e ter seu trabalho reconhecido, neste campeonato que acontece a anos nos Estados Unidos.

Fotos:Greg Anderson,

Por trás das máscaras: as fotografias de Phyllis Galembo

Desde meados dos anos 80, Phyllis Galembo tem produzido um impressionante trabalho fotográfico que documenta o caráter físico, costumes e rituais das práticas religiosas e populares africanas e suas manifestações no Caribe e na América do Sul.

Depois de estudar fotografia e gravura na Universidade de Wisconsin, em 1970 ela começou a fotografar pessoas vestindo trajes festivos. Então, em 1985, ela viajou para a Nigéria com o propósito de fotografar sacerdotes e sacerdotisas com seus trajes tradicionais e objetos cerimoniais. “Fiquei fascinada com a ideia de roupas rituais terem um poder espiritual,  transformador. Eu segui a história para o Haiti, onde acredita-se que os sacerdotes e sacerdotisas de vodu transformam-se através de suas roupas em seres mágicos.

Por mais estranha que suas imagens parecem, Galembo – que descreve o seu interesse como “artístico e antropológico ‘- diz que eles são apenas uma variante mais estridente de rituais existentes no Ocidente.

A peculiaridade e a variedade de texturas, formas e estampas impressiona de um lugar para o outro, revelando universos possíveis de inspirações, de cores e de outros de pontos de vista. Criando estéticas completamente antagônicas às vigentes na atualidade, mas não por isso menos interessantes e belas.