Eduardo Cunha grava EP: ‘Desde 1991 Esperando Ser Preso’

conversamos-com-eduardo-cunha-autor-do-disco-desde-1991-esperando-ser-preso-body-image-1461002601.jpg

Nem tudo é notícia ruim no que diz respeito à política brasileira. Bom, na verdade é sim, mas a gente pode por um momento fingir que não enquanto escuta o EPDesde 1991 Esperando Ser Preso. Depois do show de horrores que assistimos nesse último domingo (17), na Câmara dos Deputados, é bom poder apreciar um pouco de ironia na forma de hip-hop instrumental e samples de matérias de jornal.

O autor dessa obra-prima política, musical e memética se identifica como Eduardo Cunha e justifica seu anonimato: “Não queria misturar as coisas, até porque nunca misturaria meu projeto pessoal com política — apesar de me manifestar publicamente mais pro lado vermelho da força”, conta Cunha, que afirma ser um produtor do interior de São Paulo. “Essa porra já tá com mais de 3.000 plays, e meus releases ‘oficiais’ raramente batem 1000 em algumas semanas. Essa molecada de hoje em dia só quer saber de memes mesmo.”

O produtor diz ter-se inspirado pela capa do disco, que ele encontrou por aí na internet e achou “meio Beastie Boys”, conta. “Aí conversando com um amigo meu, ele disse: ‘Por que cê não transforma isso num disco de verdade?’ E umas horas depois, tava aí”. Mas o ócio da vida política no Brasil foi o que protagonizou a motivação de Cunha: “Quando a gente tem muito tempo sobrando, principalmente quando se é do meio político nacional, podemos fazer muita coisa. Entre elas lançar um disco de instrumentais. Depois a gente vai roubar um pouco de grana da máquina pública.”

Cunha acredita que Cunha (o real) talvez curtisse o disco se chegasse a escutá-lo: “Talvez ele tenha uma coleção de discos do MF DOOM e a gente nem sabe. Mas eu prefiro achar que não, o cara deve curtir Legião Urbana ou uns modão de viola. Ou talvez o hino do terceiro Reich.” E deixa sua opinião sobre a situação política no Brasil: “Tenho esperança ainda, só que pouca. Mas tento fazer minha parte. E a política tem umas coisas tão ridículas que não tem como não fazer piada.”

A juventude só quer saber de memes, mas talvez essas manifestações meméticas sejam mais eficazes e significativas do que soltar confete em meio a sessão da Câmara dos Deputados. Escute Desde 1991 Esperando Ser Preso:

Desde 1991 Esperando Ser Preso

by Eduardo Cunha

  • Digital Album

    Includes unlimited streaming via the free Bandcamp app, plus high-quality download in MP3, FLAC and more.

    Buy Now  $7 USD  or more

    Send as Gift

1.
2.
3.
4.

Wild Boy está a solta!

1234447_263365660491623_580086866_n

A festa de lançamento do Clipe Wild Boy de Lia Paris foi um sucesso! Muitos artistas e famosos vieram prestigiar o evento, que contou com delicioso Coquetel das Labels italianas Amarena Fabbri e Astoria Spumante. A música escrita por ela e Marcelo Jeneci, ganhou vida na direção de Lee Peterkin. O clipe conta a história de um amor revolucionário vivido por ela e André Ziehe em meio a protestos em NY City. Veja as fotos do evento no Site da Folha Ilustrada:

http://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/23704-cantora-lia-paris-lanca-videoclipe#foto-374356

Lia Paris, que promete ser a grande revelação da música no Brasil, deixou todos impressionados com o seu novo e dançante show autoral. As segundas feiras de março ela se apresenta no Piano Bar do Terraço Itália. E para quem ainda não viu, enjoy Wild Boy!

O Retorno de Saturno

Lia e Samuel Rosa Estúdio

Algumas pessoas tem uma energia tão forte, um desejo tão intenso que por isso atraem e realizam coisas incríveis para si e para o mundo. Esse é o caso de Lia Paris. Simplesmente autentica, por onde passa essa mulher furacão meche todas as coisas de lugar e  enche tudo com a sua luz ao ponto de ficar entediante quando se vai.

Depois de abalar em sua turnê pela Europa e NY onde gravou o Clip de Wild Boy,  música que compôs com Marcelo Jeneci,  preparava-se para a estréia de sua coleção de Beachwear para o Café de la Musique  e sua temporada de shows no Réveillon de Trancoso. Foi quando uma coisa incrível aconteceu…

Samuel Rosa ouviu o som de Lia Paris e adorou. E foi assim que ela recebeu o convite para compor duas músicas para o novo álbum do Skank.

 Sentindo-se abençoada sob o céu da Bahia, depois de cantar com Elba Ramalho, Tonny Garrido, fazer um Live com o Bushwacka e chamar a atenção de Sonia Racy e virar página de jornal, Lia escreveu uma música inspirada no turbilhão de sentimentos provocados pelo Retorno de Saturno.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na última terça-feira Lia embarcou rumo á Belo Horizonte para gravar sua participação especial no novo Cd do Skank. Ela conta que cantar com Samuel foi uma experiência mágica da qual jamais esquecerá.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uma estrela é assim. De seu coração nascem as coisas que iluminam o mundo e mesmo de muito longe sente-se  seu brilho e seu magnetismo. Compondo e cantando sobre experiências reais, Lia Paris está trabalhando em seu primeiro disco autoral e por conta de seu carisma, grandes nomes da música realizam participações especiais.

Seu EP com três músicas, foi produzido por Dudu Aram e Antônio Pinto, será lançado em breve com as faixas Azul e Flores, Wild Boy escrita por ela em parceria com Marcelo Jeneci e Sua Constelação que conta mais uma vez com a participação de Marcelo e Zélia Duncan, a bateria hipnótica de Fredo Ortiz dos Beastie Boys e guitarra marcante do músico Edgard Scandurra.

Se você ainda não ouviu falar de Lia Paris, isso é por pouco tempo, o talento dela promete estourar nas paradas de sucesso. Ouça porque no SoundCloud da cantora.

1497593_10201215753491485_12661197_n

O Som Performático dos Mustache & Os Apaches

1925302_619698338083503_983161860_n

Foi nas ruas de São Paulo que a banda Mustache & Os Apaches nasceu. Incorporando influências dos espetáculos circense, burlesco e das Jug Bands norte-americanas (bandas surgidas na década de 1920 que usavam instrumentos improvisados, como moringas e tábuas de lavar para criarem música), esses cinco músicos começaram a tocar em lugares inusitados da cidade e conquistaram seu público. Transformando escadarias, parques, calçadas e parques em palco de show.

O som de Axel Flag (vocal e ganzá), Jack Rubens (bandolim, violão e voz), Lumineiro (washboard e voz), Pedro Pastoriz (banjo, violão, kazoo e voz) e Tomas Oliveira (contrabaixo, kazoo e voz), é uma combinação de jazz, gypsy, blues, jazz e música folk. Mas segundo eles, não existe receita para a criação de sua música: naturalmente, os rapazes incorporam os diferentes estilos e criam um som único e envolvente.

Com muita espontaneidade e irreverência, a Mustache & os Apaches já rodou o Brasil e a Europa realizando shows que são verdadeiros espetáculos, sempre com muito improviso e contato com o público, sem perder a cara de “banda de rua”. Mais importante do que o sucesso conquistado, os cinco músicos gostam de ver o público dançando, se divertindo e fazendo parte do show. . Veja como tudo isso fica evidente no clip da banda:

http://www.youtube.com/watch?v=oaQSJh9gINY

No final do ano passado, eles produziram seu primeiro disco “Mustache & os Apaches”. O lançamento aconteceu no Auditório Ibirapuera, em um dos maiores shows já realizados pela banda. O disco está disponível para download gratuito – o que segundo os músicos deveria ser a regra geral sobre compartilhamento de conteúdo. O visual da banda e as referências musicais podem ser retrô, mas eles com certeza estão alinhados com as tendências atuais.

Para o futuro, a banda começa a idealizar o próximo disco, enquanto segue realizando shows, participando de festivais e promovendo seu som irreverente e contagiante. Além de trazer ainda mais criatividade e diversão para cena musical brasileira.

Rodrigo Roda na Campus Party

1546341_10152078076467626_1166199466_n

A cada ano que passa, a Campus Party torna-se mais sobre empreendedorismo e menos sobre tecnologia.

Rodrigo Roda nosso mais novo parceiro, empreendedor da Fotocommerce 360°, é especialista em e-commerce no Brasil fala sobre  mercado de Atacado on-line, como alinhar Fornecedores e Lojistas, ao mesmo tempo proporcionando conveniência e poder ao usuário. Em seu discuso falará também sobre formas inteligentes de abastecimento de lojas.

Em 2011, por exemplo, dos 11 principais palestrantes, apenas um não costuma ser ligado à área de tecnologia –Al Gore, vice-presidente americano no governo de Bill Clinton, que foi falar sobre aquecimento global.

Nomes como Steve Wozniak, cofundador da Apple, Jon “Maddog” Hall, diretor da Fundação Linux, e Tim Berners-Lee, o “pai da internet”, estavam presentes.

Neste ano, na sétima edição da Campus Party, dos oito palestrantes principais, apenas metade é da área de tecnologia, enquanto o restante falará sobre empreendedorismo e inovação.

“Começamos inspirando a conectividade entre as pessoas, passamos a incentivar a criatividade e agora estamos prontos para mostrar que conectividade e a criatividade são as sementes para o empreendedorismo latente nos jovens brasileiros”, diz Paco Ragageles, cofundador da Campus Party.

Raul Arboleda – 11.out.13/AFP
Bruce Dickinson fala durante a Campus Party da Colômbia, em Medellín
Bruce Dickinson fala durante a Campus Party da Colômbia, em Medellín

ATRAÇÕES

O principal destaque será Bruce Dickinson, vocalista da banda de metal Iron Maiden.

O músico falará sobre suas experiências de empreendedorismo na área de aviação. Dickinson investe em uma escola de formação de pilotos, e na Cardiff Aviation, empresa de manutenção de aviões.

Também estão confirmados palestrantes como Marcelo Ballona, cofundador do site Submarino, e John Lunn, executivo do PayPal.

As 8.000 vagas para acampar no evento estão esgotadas, segundo a organização.

Na edição de 2014, a velocidade da conexão à internet será de 40 Gbps, ante 30 Gbps do ano passado. Start-ups concorrerão a prêmios que totalizam R$ 1,2 milhão no desafio Fi-Ware, cuja final acontecerá na Campus Party.

QUANDO
27 de janeiro a 2 de fevereiro

ONDE
Anhembi Parque – Av. Olavo Fontoura, 1.209, São Paulo

SITE
campus-party.com.br

DESTAQUES

BRUCE DICKINSON
28.jan, terça-feira, 13h
Vocalista da banda de metal Iron Maiden; falará sobre empreendedorismo na área de aviação

RODRIGO RODA

29.jan, quarta feira, 18h

Especialista em e-commerce e fundador da Fotocommerce 360°- Auditório do SEBRAE – Vamos falar sobre e-commerce com uma abordagem pragmática

JOHN LUNN 
30.jan, quinta-feira, 13h
Diretor global de desenvolvimento do sistema de pagamentos PayPal, falará sobre o “futuro do dinheiro”

ANDREAS GAL
30.jan, quinta-feira, 19h
Cofundador da Sustainable Finance Ltd, conselheiro em sustentabilidade em mais de 50 bancos

MARCELO BALLONA
31.jan, sexta-feira, 13h
Cofundador do Submarino, falará sobre start-ups

Evoke e Update or Die apresentam o “House Of Jam”

safe_image

“I dont know but… I heard people say that what we do is rare…”

“House Of Jam” é o novo projeto musical da Evoke e do Update or Die.

Serão veiculados e produzidos programas apresentando bandas novas (e consagradas) dentro da Casa Evoke – um espaço experimental de marca que reúne diferentes contextos que orbitam o estilo de vida Evoke, e do UoD, com jam sessions, exposições de arte e eventos multi-culturais que promovem encontros inusitados.

Por lá, já passaram músicos e bandas como:

• Suicidal Tendencies
• Ben Harper
• Black Alien
• Comodoro
• Lucio Maia
• Mombojó
• Michael Gravis
• Sepultura
• Maximum Hedrum
• Agent Orange
• Marky Ramone
• Marina de la Riva
entre muitos outros…

Ou seja: os encontros que já acontecem naturalmente e com muito prazer, mas de maneira super restrita, agora serão compartilhados. O papel do UoD é fazer a interface com os músicos e nossos leitores, servindo como inspiração e curadoria através da geração de conteúdo. Há tempos existe a oportunidade de colocar em pé este projeto e, agora, chegou hora de reunir essa turma.

Mensalmente, será publicado um programa apresentando a banda convidada, que fará um pocket show, com duas ou três músicas, que serão gravadas em um pequeno evento exclusivo para poucos convidados. Serão 12 bandas/programas durante o ano, a última banda será escolhida através de um concurso e todas farão parte da primeira coletânea digital lançada pelo “House Of Jam”.

O primeiro “H.O.J.” é com os noruegueses do BIG BANG, trio que faz um rock n roll muito bem feito, misturando o som cru e direto com uma pegada clássica. A banda, que não é nova (lança discos desde 1995), é sempre apontada como a melhor da Noruega em cima dos palcos. O “Radio Radio TV Sleep” é o álbum ao vivo mais vendido de todos os tempos no país. Seu líder, Øystein Greni, é um ex-campeão de skate que se machucou fazendo manobras, teve a carreira comprometida e passou a dedicar-se a guitarra. Junto com Olaf Olsen (bateria) e Nikolai Eilertsen (baixo) formam um daqueles power trios que só dá para tentar entender quando você está em um show. Jack White, Billy Gibbons e Scott Weilland já disseram para ficarmos de ouvidos atentos. E, eles têm razão.

Nos próximos meses muitas bandas farão parte do projeto, e acontecerão mais eventos exclusivos,com mais novidades e muito mais conteúdo.

Tem alguma sugestão? Banda para apresentar? Envie para: guga@updateordie.com

Eles estão buscando marcas apoiadoras para amplificar e acrescentar ainda mais a este projeto, transformando-o em algo bem maior (como merece). O projeto tem potencial para em pouco tempo ter mais novidades e mais gente envolvida.

 

33 momentos que definem como será o próximo SPFW

E como quem não quer nada, lá vem chegando o SPFW de novo.

Hora de polir os óculos escuros.

E respirar fundo.

Olhar o line-up e confirmar: não tem mesmo desfile da Neon

Mas Reinaldo Lourenço e Gloria Coelho estão de volta!

Alguns desfiles incríveis…

… outros nem tanto.

E outros com um casting… interessante.

No fim de semana anterior, a missão é checar o guarda-roupa.

E…

Sempre cogitamos um look bafo.

Mas estamos trabalhando, né? Melhor usar algo mais prático.

Aí a gente chega no Parque Villa Lobos e não tem UMA sombra.

E ainda esquecemos de fazer o credenciamento.

Tudo bem, todo mundo bem-humorado para a Animale, que abre os trabalhos.

E mais bom humor, afinal são VINTE E CINCO desfiles em cinco dias.

Aí, logo depois do primeiro desfile, alguém pergunta: quais as TENDÊNCIAS da estação?

Sério, quem é que ainda liga para TENDÊNCIA?

E a gente ainda tenta comer uma coisinha e… o restaurante é o Figueira Rubayat!!!

A terça-feira é longa e começa cedo, com Alexandre Herchcovitch no Teatro Municipal.
Hora de disfarçar a cara de sono.

De tarde, além dos desfiles, a modelo Michelli Provensi lança seu livro. ❤

Já na terça de noite, hora de escolher:
Ficar para ver o desfile de Juliana Jabour OU partir para a festa da Chanel na Oca?

Ou os dois!

Mas sem ressaca no dia seguinte.

Quarta tem desfile-show-performance-apresentação do Fause Haten.
E ele só vai divulgar o lugar na hora.

Quinta-feira, 10h30: Pedro Lourenço faz desfile na FAAP.
Tomara que não chova, né? Porque aquelas escadas…

Em algum momento VAI chover – e vamos todos ficar ilhados depois do último desfile.

Aí, também na quinta, tem o retorno de Gisele Bündchen. Na Colcci. DE NOVO.

Mas depois do desfile, todo mundo sai meio assim.

No fim da sexta-feira, bate aquele cansaço.

Mas aí você lembra que na outra semana tem… Fashion Rio!

E ainda tem que fazer lista de tendências, porque as pessoas não param de pedir!

No meio disso tudo, Gloria Kalil está na Turquia… Volta, Gloria!