Flash Mob Smirnoff – Green Apple sinal verde para balada

s1

Todo mundo tem algum amigo que sempre fica com preguiça e raramente se anima pra ir pra balada. Nesses casos, costuma ser mais eficiente pegá-lo de surpresa, assim, no meio da diversão, fica difícil recusar. Foi pensando nisso que a Smirnoff ICE montou uma brincadeira para incentivar amigos a curtirem mais baladas juntos.

s2

A marca combinou com algumas pessoas de levar um amigo para uma loja de conveniência em Porto Alegre. Lá, eles pegavam algumas garrafas do novo sabor Green Apple, e quando passavam no caixa, a loja se transformava numa balada, com direito a disco ball, DJ, música alta e várias pessoas dançando.

Com um “empurrãozinho” desses, não tem quem resistiria à balada né?

Anúncios

William Baglione, cuidando da criatividade e amando a cidade.

tumblr_me7b2evWvP1qb8o76o1_500

Em meio aos conjuntos de prédios e construções famosas das capitais, seus olhos atentos estão sempre em busca do inusitado. Para apreciar um lampejo de arte, basta querer entender como a arte urbana se manifesta em meio à grande complexidade cidade e como ela pode ser representada de inúmeras formas, cada uma com aspectos diferenciados, bem como a história por trás delas.

Diga-se de passagem, os olhos muito atentos do curador de arte contemporânea William Baglione, sempre estiveram envolvidos com a produção de conteúdos criativos. Trabalhando desde 1994  na administração da carreira de seu irmão, o artista plástico Herbert Baglione,  o idealizador e fundador da Famiglia Baglione, faz um adendo a questão: Segundo sua visão, a cidade encontra-se empobrecida de criações artísticas, e para ele ainda existe uma  infinidade de laterais de prédios mal aproveitadas que poderiam  se transformar em painéis gigantes e outdoors,  que pela lei poluem visualmente, mas por outro ponto de vista priva de cores e alegorias que dão vida à cidade.

Sempre fora evidente que William era um artista, que absorvia as informações e possuía um olhar peculiar sobre o assunto, foi notada então a oportunidade de gerenciar a parte burocrática do trabalho e administrar a carreira de outros artistas, William chamou o irmão e o artista plástico Nunca para fundar o que foi um dos conjuntos de artistas mais renomados do Brasil.

A Familgia podia ser considerada uma máfia em termos de administração e estrutura, William Baglione afirma que apreciava muito os encontros pessoais e a boa comida, que sempre esteve presente nos encontros. A ligação entre os membros transcendia a relação profissional,  ligação essa que vinha antes da arte. William sempre foi engajado ao trabalho do irmão de forma complementar, e nesses trabalhos o compartilhamento de ideias era fundamental. Mostrou excelência na produção e execução de projetos,  de forma pioneira na exposição da arte brasileira pelo mundo, durante 7 anos, gerando conteúdo artístico e alavancando a carreira de alguns dos nomes mais importantes da arte urbana brasileira. Baseando-se na experiência adquirida ao longo desses projetos surgiu um novo ideal.

Neste cenário de constante transformação e efemeridade, é necessário inserir o visual, escancarar à vista para todos os olhos atentos e também para os desatentos. Willian fez isso diversas vezes com maestria, levando a arte do Brasil mundo a fora

Em busca de atrelar arte a uma concepção ainda mais profunda, ergue-se a Society Under Construction. Aprimorando o desenvolvimento de trabalhos como workshops,  outdoors, exposições institucionais, cursos e  curadoria de arte. Estes projetos têm objetivos criativos e sociais e mostram como a  arte é capaz de ativar a questão  social-cultural  e fomentar empreendimentos que são de grande importância para dar identidade da cidade, principalmente de uma mundialmente conhecida e com tantas influências culturais como a cidade de São Paulo e ainda agregam valor ao turismo e transformam os espaços em que são inseridos.

O trabalho de Willian consiste em quebrar paradigmas mostrar ao público a abrangência da arte urbana e como  pode ser inserida em qualquer meio, para ele só é necessário direciona-la. E acredite: de ambos os lados. Os artistas também precisam ser direcionados. Muitos deles esbanjam talento e são incapazes de direcionar a própria carreira . Diga -se de passagem, não é uma coisa nada fácil.

Dar foco a criatividade  e incentivar a luta de quem insiste em viver de arte é um trabalho para Hércules. Muitos espaços estão apenas à espera da intervenção de artistas que querem dar vida a suas obras e enriquecer o visual da cidade. Abram as portas. Deixem esse homem passar!

Mário Testino para Vogue Paris

isabeli-fontana-aymeline-valade-vogue-paris-mario-testino-13

A Vogue Paris preparou uma grata surpresa na sua edição de abril 2013. Um editorial fotografado por Mario Testino em seu País natal o Peru. Testino é detalhista e a Vogue sempre da liberdade aos grandes fotógrafos ele aqui nos da uma aula de fotografia, de produção, de estilo e principalmente de Peru. Sim Peru, seu País de nascimento. Reparem em todos os looks existe um e;emento da moda e do artesanato peruano incluindo seus tecidos que fazem tanto sucesso aqui na época do inverno.

As modelos são a nossa, cada vez mais bela, Isabeli Fontana e a modelo francesa Aymeline Valade. Um cenário estonteante que explode um turbilhão de cores. Mario Testino sempre leva alguns dos seus editoriais para o Peru assim como ele já trouxe para o Brasil. Cada foto dele é para ser olhada bem devagar em cada detalhe. Uma aula.

Sustentabilidade e Cultura

 

O SOCIOCULTURAL EM REDE é uma plataforma de aprendizagem colaborativa para o empreendedorismo cultural e criativo sustentável. Compartilhar metodologias e experiências em rede significa criar oportunidades para o aprimoramento das ações de empreendedores socioculturais, ampliando possibilidades de parcerias, de trocas e de viabilização de projetos, de forma inspiradora e colaborativa, a partir de princípios de gestão sustentável.

Ampara-se no diálogo entre pessoas, grupos, organizações, empresas e governos atuantes nas áreas social e cultural. São olhares e conhecimentos distintos, complementares e interdisciplinares que buscam estabelecer conexões entre empirismo, ciência, filosofia e arte, para gerar aprendizados e reflexões que auxiliem empreendedores socioculturais no aprimoramento de suas atividades.

Mas qual o perfil desses novos empreendedores socioculturais e criativos, como eles se diferenciam de outros empreendedores e quais são os desafios cotidianos desses inspirados realizadores?

Em primeiro lugar, acreditamos que os empreendedores socioculturais que se interessam por abordagens colaborativas e sustentáveis, objeto principal desta plataforma, são movidos pelo sentido de suas ações no mundo e ainda pelo movimento que elas promovem nos seus ambientes e comunidades.

O empreendedorismo sociocultural sustentável apoia-se em um ciclo contínuo de atividades e inter-relações em que todos os sistemas (social, político, econômico, ambiental e cultural) são fundados na alteridade e no respeito integral à vida.

“Empreender é aprender, aprender é empreender.”

Esse é o princípio proposto para o desenvolvimento e aprimoramento das próprias iniciativas socioculturais, das comunidades, dos parceiros e dos públicos envolvidos no processo.

Desse modo, sentidos, propósitos, métodos e aprendizados vão construindo ciclos vivos, abertos, expansivos e colaborativos.

Concepção

André Martinez

André Martinez, pesquisador independente interdisciplinar, filmmaker, consultor e conferencista, é administrador de empresas especializado em design sustentável de políticas e empreendimentos culturais e consultor de instituições como Instituto Avon, Camargo Corrêa, Comgás, Unisinos, Instituto Claro, Sebrae e Grupo Box Brazil. Como filmmaker documentarista, propõe investigar a complexidade do pensamento a partir do processo criativo do artista. Entre seus principais trabalhos destacam-se “O Guru Selvagem”, sobre Jorge Mautner, e “Unheimlich”, sobre Walmor Corrêa. Foi diretor executivo da Fundação Cinema RS e Brant Associados, professor da Universidade Anhembi Morumbi, coordenador de cultura do Sesc RS, vice-presidente do Instituto Pensarte e presidente do Instituto Vygotskij. É autor do livro Democracia Audiovisual. Coordena, com Minom Pinho, o curso de Gestão do Empreendimento Cultural e Criativo da Escola São Paulo. Atua como consultor por meio das empresas Aprax Arquitetura Cultural, Casa Redonda Patrocínio Sustentável e Cida Planejamento Cultural.

Minom Pinho

Sócia-diretora da Casa Redonda Cultural e da Casa Redonda Patrocínio Sustentável, é graduada em Computação pela Unifacs – Bahia e pós-graduada em Arte e Tecnologia. Com 10 anos de experiência em planejamento, gestão e execução de projetos e programas culturais com foco social e educativo, assina a produção executiva de projetos, programas e conteúdos nos segmentos de audiovisual, artes visuais, música, humanidades, arte e tecnologia e artes integradas. É consultora em políticas de investimento privado, envolvendo concepção e gestão de editais e fundos de investimento na área, além de colaborar com diversas iniciativas de empreendedorismo cultural, social e criativo para empresas, institutos, fundações e organizações sociais. Também ministra cursos e palestras sobre gestão sociocultural e arranjos criativos sustentáveis.

Por um Brasil Criativo

Em 4 de dezembro de 1986, a Organização das Nações Unidas produziu uma primeira. Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento, afirmando que o mesmo é um direito humano inalienável, ao mesmo tempo em que é um direito e dever dos Estados.

A economia criativa tem obtido destaque no foco das discussões de instituições internacionais como a UNCTAD (Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento),o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e a UNESCO (Organizaçãodas Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) sendo considerada um eixo estratégico de desenvolvimento para os diversos países e continentes, no novo século.

Apesar de ser reconhecido pela sua diversidade cultural e potencial criativo, o Brasil não figura nas pesquisas internacionais entre os 10 primeiros, países em desenvolvimento, produtores e exportadores de bens e serviços criativos.  A Secretaria da Economia Criativa (SEC)simboliza, a partir deste Plano, o desafio do Ministério da Cultura de liderar a formulação, implementação e monitoramento de políticas públicas para um novo desenvolvimento fundado na inclusão social, na sustentabilidade, na inovação e especialmente, na diversidade cultural brasileira.

Por outro lado, ao planejarmos, através da SEC, um “Brasil Criativo”, queremos acentuar o compromisso do Plano Nacional de Cultura com o Plano Brasil sem Miséria, através da inclusão produtiva, e com o Plano Brasil Maior, na busca da competitividade e da inovação dos empreendimentos criativos brasileiros.

Por isso, nós, que fazemos o Ministério da Cultura, saudamos com alegria e esperança o Plano da nova Secretaria da Economia Criativa. Que esse documento simbolize um marco para o reposicionamento da cultura como eixo de desenvolvimento do país. Afinal, tal como Câmara Cascudo, nós também acreditamos que “o melhor do Brasil é o brasileiro”!

Por um Brasil Criativo
Ana de Hollanda
Ministra da Cultura

Cases de Economia Criativa

ECONOMIA DA CULTURA ESTÁ NA MODA
Economia da cultura é um tema que não pode ficar de fora do Planejamento governamental, pois cada vez mais esse filão sócio-mercadológico vai influenciar na geração de emprego e renda. Governos modernos e “antenados” com os novos tempos precisam dar a devida atenção a essas questões, pois a indústria cultural e de entretenimento gera bilhões de dólares em riqueza em todo o mundo.
Não bastasse o volume de recursos que movimenta, a Cultura ainda se trata de uma fonte limpa de desenvolvimento: não desmata, não polui, não gera doenças. Pelo contrário: investir em cultura é criar uma vitrine atrativa para pessoas de bom gosto que estão espalhadas pelo mundo em busca de opções de lazer e com dinheiro no bolso para gastar. Não tenho mais dúvidas. Para manter ativa uma rede de fomento econômico e social, a inovação deve ser um dos elementos centrais de convergência para superar o desafio de tecer as articulações estratégicas.

Esta leitura pode ser considerada uma das essências, um dos eixos para se estruturar uma região do conhecimento de fomento econômico e social. O mapeamento de instituições com afinidades com esta proposta é lição de casa número um. Outro trabalho é entender a lógica da economia criativa da nova economia. Neste post fazemos um passeio por cases de sucesso nesta área.

FUNDOS DE PROJETOS E INVESTIMENTOS

O Brasil Foundation é uma das referências do setor social, incentivando tecnologias sustentáveis. Todas as organizações interessadas podem apresentar projetos que visam transformar comunidades em todo o Brasil.A instituição disponibiliza bancos de projetos e recepciona projetos na linha da economia criativa.

Mas Economia Criativa vai além dos aspectos de desenvolvimento social. Este conceito também está diretamente relacionado ao mundo dos negócios. Na área cultural, a ArtRio é uma marca construída para movimentar o mercado de arte contemporânea, ligada à imagem do Rio de Janeiro. Esta é uma das dimensões da economia criativa que alia arte, negócios, cultura e turismo.

Já a Art Sp dá um zoom no design e fotografia. Um evento altamente especializado que trabalha com referências de alto valor agregado, promovendo reflexões no setor. Um dos “cases” de sucesso na economia criativa que aliou turismo, cidadania, educação, economia solidária e valorização do patrimônio é o Instituto Inhotim. O foco no desenvolvimento regional no turismo, promovendo a capacitação garantiu articulações com os demais setores da economia.

Mas o assunto de economia criativa é muito amplo. Formatar estratégias de relacionamento em rede é um desafio. O Itsnoon desenvolveu uma moeda de relacionamento para estimular o relacionamento entre artistas, empresas e pessoas para criar oportunidades de aprendizagem e trabalho em rede. A idéia do site Mobz é mobilizar pessoas interessadas em assistir um filme ou show. A formação de grupos em torno de um título facilita a articulação para viabilizar este evento. Interessante…

NOVAS OPORTUNIDADES

Imagine um site que facilita a edição do seu livro. Sim, todo o processo de edição e distribuição resolvidos. Esta é a proposta do site Bookers. Uma idéia DNA de economia criativa. Outra proposta simples e direta direcionada para desenvolvedores é o site Laboratório de Garagem, que promove o trabalho colaborativo. Já o portal Makaha é uma empresa que busca descobrir e investir em projetos que tenham potencial de se transformarem em negócios. Lá, qualquer pessoa pode direcionar alguma apostar em idéias criativas. E para os empreendedores culturais do site Espaçonave oferece espaço para compartilhamento de experiências.

E todas estas referências dão conta que as mobilizações em redes de fomento ganham força. O site Cidades Inovadoras trabalha justamente com o conceito de desenvolvimento social urbano. Enfim, todos estes “cases” ilustram a economia criativa. Frente a tantas referências o fundamental neste momento é trabalhar a cultura digital na organização em rede.

Quando falamos em região do conhecimento nos referimos à formação de redes de cooperação em torno de setores econômicos específicos. No entanto, para difundir a cultura digital, cenários devem ser desenhados e as tendências investigadas para que exista engajamento. Estas redes são formas de organização da produção com foco no mercado, no relacionamento com os consumidores. A inovação deve estar presente considerando todos os processos do ciclo de um produto ou serviço.

Este post contou com o suporte de pesquisa Maurício Augusto Sampaio Pinto, gestor do Grupo Economia Criativa do Hub de Cultura Digital. Ele é designer gráfico e autor deste trabalho.

O mundo contra Belo Monte!

Mobilização global contra Belo Monte

No próximo sábado, 20/08, o Brasil vai às ruas para protestar contra a destruição da Amazônia. E diversos países nos cinco continentes realizam atos de solidariedade em frente às Embaixadas/Consulados brasileiros no dia 22/08.
Nos últimos meses, a população brasileira vem testemunhando sucessivas agressões contra a Amazônia e os povos da floresta:

1. O governo autorizou o início da construção da usina de Belo Monte, no rio Xingu
2. A Câmara dos Deputados aprovou mudanças no Código Florestal que diminuem a proteção das nossas matas
3. Lideranças comunitárias na Amazônia continuam sendo vítimas de assassinato e violência na região

Vivemos um momento politico bastante complexo e delicado, que pode definir o futuro da humanidade. Chega de destruição na Amazônia.
O projeto Belo Monte é um exemplo cabal de ineficiência energética: apesar da propaganda do governo de que será a 3ª maior hidrelétrica do mundo (em tamanho), produzirá, em média, apenas 39% da eletricidade que promete. Além disso, é um projeto absurdamente caro (cerca de R$ 30 bilhões, dos quais 80% são dinheiro do povo, a ser desembolsado pelo BNDES), e foi imposto pelo governo através de um processo brutal de sucessivas violações da legislação e da Constituição nacionais, e de acordos e tratados internacionais.
Acima de tudo, porém, o projeto de Belo Monte vai impactar de forma irremediável a vida das populações locais, da fauna e da flora do Xingu, destruindo e secando parte de um dos mais belos e ricos rios do mundo, e transformando a região em terra arrasada. E os reflexos já são visíveis: Altamira foi campeã de desmatamento nesse primeiro semestre.
Um número cada vez maior de brasileiros está saindo às ruas para exigir a proteção do nosso maior patrimônio socioambiental: a floresta amazônica e respeito aos direitos humanos; e conta com a solidariedade da comunidade internacional. Juntos, podemos fazer a diferença!
Você pode ajudar a proteger a Amazônia
Diversos protestos estão sendo organizados no Brasil. O próximo sábado, 20/08, será marcado por atividades contra a construção de Belo Monte e contra as mudanças no Código Florestal em diversos estados.
E, no dia 22/08, diversos países nos cinco continentes vão mostrar sua solidariedade ao povo brasileiro, protestando em frente às Embaixadas/Consulados Brasileiros ao redor do mundo.
Participe!

1. Abaixo, você encontra a lista das atividades programadas no Brasil (20/08) e internacionalmente (22/08)
2. Se você tiver informações adicionais sobre cidades, países, locais e horários de protestos e concentrações, por favor, encaminhe para o email: campanhaxingu@gmail.com.
3. Registre sua atividade com fotos e vídeos, e envie para: campanhaxingu@gmail.com, Xingu Vivo no Facebook e @xinguvivo.

O Xingu agradece!

20 de agosto (sábado)
Cidade Local Hora No Facebook
Belém (PA) Praça da República, em frente ao Teatro da Paz rumo ao Ver o Peso 8h30 Confirme sua participação
Brasília (DF) Em frente ao congresso nacional 14h Confirme sua participação
Fortaleza (CE) Praça José de Alencar 13h Confirme sua participação
João Pessoa (PB) Feirinha de Tambaú 14h Confirme sua participação
Recife (PE) Praça do Derby 14h Confirme sua participação
Rio de Janeiro (RJ) Posto 4, na Av. Atlântica em Copacabana 14h Confirme sua participação
Salvador (BA) Praça Campo Grande, até a Praça Municipal 14h Confirme sua participação
Santarém (PA) Praça da Matriz, com caminhada pela orla da cidade até o ‘Mascotinho’ 18h Confirme sua participação
São Paulo (SP) Av. Paulista, em frente ao MASP 13h Confirme sua participação
Florianópolis (SC) Em frente ao TICEN 9h Confirme sua participação
Baixe aqui o planfleto feito pelo Movimento Brasil pela Vida nas Florestas e leve para o evento na sua cidade!
Around the world
August 22 (Mon)
Country City Location Time
Australia Canberra, ACT Brazilian Embassy – Canberra. 19 Forster Crescent, Yarraluma 1pm + info
Canada Toronto, Ontario Embassy of Brazil in Toronto – 77. Bloor Street West, Suite 1109 3pm + info
England London Embassy of Brazil London 1pm + info
France Paris Court of Human Rights, Place du Trocadéro 3pm + info
Germany Berlin Brazilian Embassy in Berlin 2:30pm + info
Iran Tehran
Netherlands Hague Brazilian Embassy in the Hague, Netherlands 8:30am + info
Portugal Lisbon Brazilian Consulate ((Saturday, 20)) 3pm + info
Scotland Edinburgh From Carlton Hill to the Meadows 12pm + info
Taiwan Taipei Nearest embassy or consulate 2pm + info
Turkey Ankara Brazilian Embassy, Ankara 11pm + info
United States Washington, DC Brazilian Embassy in Washington D.C – Georgetown 12:30pm + info
United States Salt Lake City, Utah Utah Brazilian Consulate, 180 South 300 West, Suite 130 TBD + info
United States New York City, NY Brazilian Consulate, Ave. of the Americas and 47th St. NYC 12pm + info
United States San Francisco San Francisco Brazilian Consulate – 300 Montgomery street, Suite 900, San Francisco, CA 94104 8am + info
Mexico Guadalajara Brazilian Consulate in Guadalajara 12:30pm + info
Wales Wrexham 1pm + info
United States Miami Lincoln Rd & Washington Ave – Miami Beach ((Saturday, 20)) 6pm + info
Denmark Copenhagen Rådhuspladsen KBH 4:30pm + info
Noruega Oslo Brazilian Embassy in Oslo 10pm + info