Gabriel Dawe

O artista mexicano Gabriel Dawe nos apresenta um interesantíssimo trabalho realizado a partir de materiais têxteis. Gabriel mostra que sabe trabalhar com a diversidade do sentimentos nas diferentes propostas que aborda, transitando por entre as sensações com facilidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Assimilando o Design Orgânico

Abrindo a cachola! Dois vídeos incríveis relacionando  a Teoria dos Fractais e a evolução do Design Orgânico. Enquanto o mundo gira, nós evoluímos!

Boa Tarde

As 5 Características dos criativos

Design, arquitetura ou artes, a classificação não importa, o importante é saber que há algo em comum nas pessoas que atuam nesse e em muitos muitos outros campos, e eu estou falando da CRIATIVIDADE.

Um estudo conduzido pelo BitRebels encontrou as 5 características mais presentes nas pessoas criativas de diferentes áreas, veja:

1. Pessoas criativas são curiosas

Eles fazem perguntas o tempo todo, quando deparados com algo que não entendem (e que seja de seu interesse), fazem um esforço para entender sua funcionalidades ou  até dominá-lo por completo.

2. Criativos gostam de desafios

O usual e o simples não bastam para saciá-los, Quanto maior o desafio, mais aquilo os intriga. Conhecidos como grandes solucionadores de problemas.

3. Criativos não tem medo de experimentar

Sempre estão em busca de novas experiências que possam agregar valor em suas vidas tanto pessoais quanto profissionais, mesmo que para isso hajão  riscos. Seja um processo, um aparelho ou uma fórmula. Experimentar é uma forma de analisar o que funciona e o que não funciona.

4. Pessoas criativas tem padrões altos

Eles não se acomodam com nada menor que o melhor. Pessoas criativas sempre procuram fazer algo melhor, e nunca param de aprender.

5. Criativos sabem como aceitar e dar críticas construtivas

Não importa o que e o quanto fazemos, pessoas sempre vão falar algo sobre seu trabalho, seja algo bom ou ruim. Pessoas criativas conseguem aceitar críticas e torná-las em oportunidades. Eles também sabem como dar críticas construtivas. Como eles tem padrões elevados em relação a si mesmos, os criativos sabem que críticas conseguem ajudá-los a melhorar seu trabalho.

Você se encaixa nesse perfil de criativos?

100 anos de Estilo!

100 anos de estilo e dança! Essa é a ideia do viral criado pela rede de shoppings Westfield Stratford para o lançamento de mais uma unidade na capital inglesa. Celebrando as mudanças de estilos, a música também foi pensada para refletir as diferentes épocas. O vídeo foi filmado durante 4 dias em vários cenários da região leste de Londres e foram feitas centenas de trocas de roupas para o efeito final: 100 anos do estilo de East London em 100 segundos!

Revista Veja: SP já movimenta R$ 40 bi por ano com criatividade

Por Agência Estado

São Paulo – Mesmo com seus 1.522 quilômetros quadrados de área, quase o mesmo tamanho de Hong Kong, a cidade de São Paulo não produz um grão sequer de soja ou milho, petróleo ou algodão, muito menos café ou ferro. Mas produz conhecimento. E informação. São justamente essas commodities diferentes e um tanto intangíveis que fazem a capital paulista disputar hoje o posto de uma das principais economias criativas do mundo, ao lado de Nova York, Londres. Barcelona e Berlim.

A indústria criativa envolve áreas culturais, artísticas e intelectuais que vão do design à arquitetura, passando por informática, mercado editorial, artes cênicas, moda e cinema. Atualmente, essa faceta de São Paulo já movimenta R$ 40 bilhões por ano, quase 10% do Produto Interno Bruto (PIB) da capital, segundo a prefeitura. E, de acordo com pesquisa inédita encomendada pelo governo para a Fundação do Desenvolvimento Administrativo, a taxa média anual de crescimento do emprego formal no setor alcança os 9,1% – se essa curva ascendente continuar, em menos de uma década a economia criativa paulistana vai chegar ao mesmo patamar de Londres, na Inglaterra, o maior exemplo de como o setor pode reinventar uma cidade.

Londres teve sua fase decadente e se reinventou depois que começou a apostar em sua indústria criativa, diz o secretário o secretário municipal do Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, Marcos Cintra. A cidade inglesa aumentou seu PIB em 25% nos últimos 15 anos apostando em áreas como cinema, teatro e design, além de atrair um número 350% maior de turistas. Queremos incentivar cada vez mais a economia criativa em São Paulo. Temos o projeto de criar polos tecnológicos no Jaguaré e na zona leste, além de investir em centros de design. É natural que uma megalópole como a nossa aposte nisso. Há até áreas como teatro e shows em que já temos papel de liderança nos rankings mundiais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Velhinhos do Barulho!

Os Robots Boys Nick & Jeppe, da Dinamarca diretamente para o Mundo.

Olho por olho e o mundo terminará cego.

Vídeo incrivel produzido pela banda inglesa UNKLE. Aliás todos deles são bafônicos!

 

Moda Arte + Silhuetas Bizarras

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bart Hess é um artista visual holandês que vos apresento hoje. Suas obras se manifestam por meio “roupas esculturas” que redesenham a silhueta do corpo humano, usando para isso materiais bizarros e inisitados, explorando formas e volumes, gerando assim, o que ele imagina que pode ser o futuro do corpo humano. Deste resultado, ele tira fotografias ou monta vídeos.

Destaco aqui dois de seus trabalhos. O primeiro é a série Slime (lodo), em que o Hess cobre o(a)s modelos com um material elástico e semi-transparente, que remete a uma placenta. Em determinadas imagens desta série, até mesmo é possível imaginar que se trata de uma releitura do nascimento.

A outra série que destaco é Lucy and Bart, em que Hess trabalha em parceria com a artista Lucy McRae. Nesta série, os artistas recobrem o corpo dos modelos com diferentes materiais, criando outras silhuetas igualmente estranhas. Vale a pena conferir e pensar nesses novos valores estéticos proposto por Bart.

Steven Klein no MuBE

USAnatomy de Steven Klein chega ao MuBe

Este slideshow necessita de JavaScript.

A série de exposições fotográficas com os maiores nomes da fotografia e a moda no mundo traz Sten Klein

Elaborada para o projeto Photoseries, a mostra USAnatomy, de Sten Klein, chega ao MuBE – Museu Brasileiro da Escultura, de 11 à 28 de agosto. São 87 obras que ocuparão o grande salão central do Museu, em São Paulo.

Com curadoria de Chico Lowndes, a apimentada mostra inédita de Steven Klein traz 40 fotos, incluindo dois trípticos, em grandes dimensões, mais 47 polaróides originais. A exposição faz uma panorâmica do fotógrafo americano cujo trabalho faz o mundo da moda e o universo da arte se encontrar em um ponto especial.

Favorito das celebridades, Steven já registrou com suas lentes grandes personalidades, como Madonna, Angelina Jolie, Justin Timberlake, Britney Spears, David Beckhman, e ainda dirigiu o polêmico Alejandro, clipe de Lady Gaga.

Além das imagens, também será exibido o vídeo , que faz, em oito minutos, uma retrospectiva de quinze anos do trabalho de Klein.

“Steven é capaz de ultrapassar os limites da fotografia tradicional de moda e ampliar sua presença no universo da arte. Sem duvida é o grande criador de imagens icônicas nesse momento”, diz Chico Lowndes.

Sobre Steven Klein

Nasceu em Nova York em 1961. Formado em pintura pela Escola de Design de Rhode Island, tornou-se um dos fotógrafos mais requisitados do mundo ao clicar as campanhas de empresas do porte de Calvin Klein, Dolce & Gabanna, Alexandre McQueen, Nike entre outras.

Celebridades de todas as áreas posam para sua câmera de uma forma como nunca haviam feito para outros fotógrafos: Brad Pitt e Angelina Jolie, Justin Timberlake, Natalie Portman, Elton John, Prince, Tom Ford, Vitoria e David Beckham, Naomi Campbell e ainda modelos brasileiros, como Jesus Luz, Izabel Goulart e Alessandra Ambrósio. Esse trabalho é publicado nas principais revistas do mundo e Klein é amado pelos editores como Anna Wintour da Vogue.

Além de colaborar há muito anos na realização de vídeos, shows e fotos de sua amiga Madonna, Steven Klein é o diretor do videoclipe Alejandro, de Lady Gaga, considerado um dos mais polêmicos da atualidade. Seu trabalho já foi mostrado em grandes galerias de arte nas principais cidades do mundo.

Sobre o MuBE

O Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) desenvolve extensa e diversificada programação cultural, com exposições, cursos, seminários, palestras e recitais de piano. São realizadas, em média, vinte e cinco exposições/ano, abrindo espaço para novos talentos, além de apresentar mostras de artistas renomados, nacionais e internacionais.
O Museu recebe, aproximadamente, 150.000 visitantes por ano. As exposições contam com visitas monitoradas para crianças, estudantes, grupos de terceira idade e público em geral.

Serviço:
Exposição – Photoseries – USAnatomy
Curadoria – Chico Lowdes
Diretora de Relações Internacionais do MuBE – Renata Junqueira de Azevedo
Local – MuBE – Museu Brasileiro da Escultura – Lobby/ Grande Salão
Endereço – Av. Europa, 218, Jd. Europa
Aberto ao público – de 11 a 28 de agosto (vernissage: 10 de agosto, a partir das 20h para jornalistas e convidados)
Horário – de terça a domingo, das 10 às 19 horas
Informações – (11) – 2594-2601
Entrada gratuita
http://www.mube.art.br
O MuBE possui acesso para pessoas com Necessidades Especiais, restaurante e ar-condicionado

A visão de Sayaka Kajita Ganz

Este slideshow necessita de JavaScript.

Inspirada por simples utensílios de cozinha, geralmente usados por pouco tempo e jogados no lixo, a japonesa mostrou sensibilidade e criatividade para elaborar esculturas feitas desses materiais. Em formato de animais, as obras parecem estar vivas!

As peças utilizadas são recolhidas em postos de reciclagem, lixões, brechós ou recebidas por doações de amigos e fãs da artista. São usadas colheres, garfos, espátulas, conchas e uma infinidade de utensílios que usamos diariamente. Sayaka chega a utilizar até 500 objetos em uma única escultura, que chegam a medir até 30 metros de altura.

A artista só utiliza materiais que já foram usados e descartados, com o objetivo de dar um novo significado a eles com o processo de reaproveitamento e regeneração. Segundo divulgado no site  Coletivo Verde, Sayaka se inspira de acordo com a espiritualidade tradicional antiga do Japão: “o Xintoísmo Japonês acredita que todos os objetos e organismos possuem espírito e quando são descartados antes do tempo, choram dentro das latas de lixo”.

“Construindo estas esculturas eu tento entender as situações e os relacionamentos humanos que me rodeiam. É uma maneira de contemplar e  lembrar que, mesmo que haja um conflito, existe uma maneira de todas as peças se encaixarem”, completa.

Idéias sustentáveis, podem ser reais.

Veja também o vídeo do processo produtivo de uma das peças: